Colunistas Pr. Antonio Mardonio Sala Pastoral

Acomodados, Agora Incomodados

Pentecostes Imagem Pixabay

Nós recebemos a ordem expressa de Jesus: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão” (Mc 16.15-18).

Dia de Pentecostes Foto Pixabay

A obra de Deus não pode sofrer solução de continuidade. Quando parece que a chama acesa no dia de Pentecostes vai se apagar, o Todo-poderoso faz algo extraordinário. No decorrer da História da Igreja na face da Terra, foram concretizados vários avivamentos espirituais, para que as portas do Inferno jamais prevalecessem contra a Noiva de Cristo. Falaremos dos cinco últimos despertamentos que fizeram os cristãos desses tempos permanecerem atentos.

No século XVI, quando parecia que Satanás havia prevalecido e naufragado a Igreja, Deus levanta Martinho Lutero, para fazer surgir a Reforma Protestante. No século XVII, quando um novo esfriamento espiritual parecia comprometer o Protestantismo, Jesus usa Filipe Jacó Spenner, para estabelecer o Pietismo. No século XVIII, quando o mundanismo invade os corações de muitos que se diziam cristãos, Deus suscita João Wesley.

Dwyght Lyman Moody (D. L. Moody,1837-1899), tornou-se o maior pregador do Evangelho no século XIX. A declaração mais famosa dele foi: “A fé torna tudo possível … o amor torna tudo mais fácil”. Abandonou seu emprego, para se dedicar exclusivamente ao ensino da Palavra de Deus e à pregação do Evangelho. Morreu pobre, pois todo dinheiro que ganhou com a venda de seus livros, dedicou à obra missionária.

William Joseph Seymour (1870-1922), filho de ex-escravos, ficou cego do olho esquerdo, após contrair varíola. Sofreu muito por causa do preconceito racial, por ser negro. Na igreja, sentava-se em uma cadeira isolada, para não estar ao lado de um branco. Usado poderosamente por Deus, foi o responsável pelo avivamento da Rua Azusa, 312, Los Angelis, Califórnia, Estados Unidos, que se tornou conhecido como Pentecostalismo, o movimento do século XX.

 Estávamos acomodados, agora incomodados com a situação em que o mundo se encontra. Gostaríamos de estar livres das máscaras, das restrições que foram impostas para não sermos infectados pelo coronavírus. Nosso maior desejo é voltarmos a frequentar livremente aos cultos, cumprimentarmos nossos irmãos com o abraço fraternal. Mas nosso maior empenho deve ser evangelizar, pois esta é a maior razão da existência da Igreja: Ganhar almas para Jesus.

Pr. Antonio Mardonio

Pr. Antonio Mardonio

Antonio Mardonio Nogueira Vieira, pastor, jornalista, teólogo (estudou nos seminários católicos da ordem dos padres diocesanos nas cidades do Crato/CE e Fortaleza/CE), colunista, ex-comentarista da EBD (CPAD), coautor da História das Assembleias de Deus no Brasil publicada em 1981 (quando a denominação completou 70 anos), ex-chefe dos departamentos de Livros e de Escola Dominical da CPAD, ex-coordenador do CAPED, formado em Letras e Pedagogia, ex-diretor pedagógico da FAESP, atual pastor do Setor na Vila Formosa, São Paulo/SP, ex-presidente da AD em Mogi Guaçu/SP, ex-dirigente dos setores em Santana de Parnaíba/SP, São Bernardo do Campo/SP, Cajamar/SP, Embu Guaçu/SP, todos pertencentes ao Ministério do Belém, 1º vice-diretor e editor- chefe do Ceifeiros em Chamas.