Colunistas Pr. Antonio Mardonio

Biblicamente, o Racismo é uma Imbecilidade

Os evolucionistas, em contraposição ao ensino da Bíblia e ao que creem os criacionistas, de que todas as raças são iguais, pois Deus não faz acepção de pessoas, tornaram-se praticantes da doutrina que se chama racismo. Este termo apareceu pela primeira vez em uma revista francesa intitulada Revue Blanche, em 1902, para determinar as concepções sobre a superioridade e inferioridade racial que começaram a vigorar na Europa a partir do século XIX.

Mencionamos três exemplos desta prática insana no mundo: a política antissemita relativa à perseguição ao povo semita na Alemanha nazista que culminou no Holocausto, nome que recebeu o genocídio realizado durante a Segunda Guerra Mundial, quando se estabeleceu a matança sistemática dos judeus, negros, ciganos, homossexuais, testemunhas-de-Jeová, etc.; o sistema apartheid, na África do Sul; e a segregação, no Sul dos Estados Unidos da América.

O racismo tem sua origem na falsa ciência a partir de determinadas teses de cientistas europeus que utilizaram seus conhecimentos para elaborar esta perversa doutrina. Um dos procedimentos utilizados consistia em medir os tamanhos dos crânios das pessoas. Os maiores, que supostamente continham mais quantidade de massa cerebral, indicavam a superioridade racial. Outro fator consistia em analisar as formas fisionômicas relativas à feição e aos traços faciais.

Muitos desses cientistas baseavam-se na teoria darwinista da seleção natural e evolução das espécies, pois acreditavam que as mesmas aplicáveis à evolução dos seres vivos eram também válidas para descrever a superioridade racial. Seus principais defensores foram o francês Arthur Gobineau e o inglês Houston S. Chamberlain. Essa doutrina satânica foi utilizada para justificar o imperialismo europeu e a colonização dos continentes africano, americano e asiático.

Na África do Sul, os brancos, até pouco tempo, conhecidos como bôeres, desenvolveram políticas racistas contra os negros, baseados na tese da superioridade racial, o que originou no idioma local o termo apartheid, ou seja, vidas separadas. Nos Estados Unidos também houve políticas destinadas a separar os negros dos brancos na ocupação dos espaços públicos, com o estabelecimento de restrições ao primeiro, e direitos e privilégios ao segundo grupo. Isto ocasionou uma grande revolta por parte dos negros em prol dos direitos humanos, o que ocasionou muitos ataques violentos como os praticados pela seita Ku Klux Klan (KKK), fundada no final da guerra civil em 1865, para perseguir e matar os negros principalmente os dos estados no Sul dos Estados Unidos da América. Somos criacionistas, cremos na origem das três raças através de Noé e sua esposa. Portanto, o racismo, biblicamente, é uma grande imbecilidade.

Pr. Antonio Mardonio

Pr. Antonio Mardonio

Antonio Mardonio Nogueira Vieira, pastor, jornalista, teólogo (estudou nos seminários católicos da ordem dos padres diocesanos nas cidades do Crato/CE e Fortaleza/CE), colunista, ex-comentarista da EBD (CPAD), coautor da História das Assembleias de Deus no Brasil publicada em 1981 (quando a denominação completou 70 anos), ex-chefe dos departamentos de Livros e de Escola Dominical da CPAD, ex-coordenador do CAPED, formado em Letras e Pedagogia, ex-diretor pedagógico da FAESP, atual pastor do Setor na Vila Formosa, São Paulo/SP, ex-presidente da AD em Mogi Guaçu/SP, ex-dirigente dos setores em Santana de Parnaíba/SP, São Bernardo do Campo/SP, Cajamar/SP, Embu Guaçu/SP, todos pertencentes ao Ministério do Belém, 1º vice-diretor e editor- chefe do Ceifeiros em Chamas.